quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

REFÚGIO



                           
                 Ó Deus livra-me do malfeitor                Águas que me afogam são flagelos.                Componho poesias para o Senhor                Buscar-te-ei, e com o mal não terei elo.
  
  Sejam firmes meus passos, sem duplicidade.
  Teu amor excelso jamais eu esquecerei
                       Ensinas-me ter domínio nas vaidades
  Cantar-te-ei louvores, e feliz serei.

   Senhor esconde-me, dos perseguidores.
  Afrontam, mas não me levam ao tremedal.
  Restaura-me do vexame e das dores,
  Ó Deus! Guarda-me desse vendaval.